“Prenderam o médico errado”, opina Dr. Allan Roberto sobre a morte do bebê em frente ao hospital de Pinheiro

        Dr. Alan Roberto

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) informou que cumpriu, na manhã desta segunda-feira (5), alvará de soltura mediante monitoração por tornozeleira eletrônica em favor do médico Paulo Roberto Penha Costa.

A decisão é do desembargador Jaime Ferreira de Araújo, do dia 04 de fevereiro. Para o magistrado, a manutenção da prisão preventiva ao caso em apreço “é medida que não expressa justiça, mas coloca o paciente – que é detentor de primariedade, bons antecedentes, residência fixa e labor definido – em situação de extrema ilegalidade,

Ainda sobre o assunto, o médico Dr. Allan Roberto, natural de Pedreiras, e que trabalha no Socorrão 1, em São Luís, foi ouvido pelo blog do Carlinhos nesta manhã de terça-feira (6). Através de aplicativo de mensagem, Allan Roberto opinou sobre a conduta do colega e fez algumas ponderações. Para ele, houve omissão, porém, a morte do bebê foi ocasionada por uma série de negligências a partir de São Bento. 

Confira o que disse Allan Roberto

“Como tudo na assistência dela em São Bento e na remoção, foi tecnicamente errado; o colega se recusou a receber, isso não justificaria ele não receber o paciente. O que caracterizou a omissão de socorro.”

“Mas a causa da morte da criança não foi a omissão, mas a sucessão de erros em São Bento durante o parto e a remoção até Pinheiro.”

“NEGLIGÊNCIA 1.

 Parto com feto pélvico  (sentado) com circular de cordão (cordão umbilical enlaçado no pescoço do feto). Se nasceu em sofrimento fetal foi negligência da equipe do hospital de origem que demorou a fazer a cesariana e o feto foi “enforcado” durante sucessivas e demoradas  contrações uterinas na tentativa de expulsá-lo, impossível por estar sentado e “amarrado”.”

“NEGLIGÊNCIA 2.

Remoção feita em ambulância simples. Casos como esses só podem ser transportados em USA-Unidade de Suporte Avancado-UTI  Móvel.”

“NEGLIGÊNCIA 3.

Somente um profissional de enfermagem de nível técnico acompanhando a remoção  do paciente neste estado crítico. Errado. Teria que ser um médico!”

“NEGLIGÊNCIA 4.

Paciente em uso de droga vaso-ativa (adrenalina) em suporte de micro-gotas. Errado. Teria que ser em bomba de infusão sob supervisão médica.”

“Tudo errado!!!”

“Culpado de tudo é o médico que encaminhou o bebê. Prenderam o médico errado!”

“Complemento que a criança tinha que estar entubada, sob ventilação mecânica e sob assistência médica e de enfermagem de nível superior durante a remoção.” Finalizou o médico pedreirense. Entenda o caso em continua…

Dr. Paulo Roberto 

O médico estava preso em uma cela especial na Penitenciária de Pedrinhas após ter sido transferido da Unidade Prisional Regional de Pinheiro por não pagar uma fiança de 50 salários mínimos.

A prisão do médico ocorreu por uma acusação de omissão de socorro, na madrugada de quinta-feira (1º), no município de Pinheiro-MA, localizado a 333 Km de São Luís. A acusação é da Polícia Militar de Pinheiro.

Policiais gravaram um vídeo em que uma técnica em enfermagem, que estava em uma ambulância do município de São Bento, afirma que a criança quase não tinha batimentos cardíacos e precisava de atendimento urgente.

O médico foi preso pelos policiais ainda no hospital. Em depoimento na delegacia, ele disse que o hospital não tem autorização para atender pacientes de São Bento. Segundo Paulo Roberto, a criança deveria ter sido encaminhada a cidade de Viana, que fica a 70 Km da cidade, ao invés de Pinheiro, que fica a 40 Km.

O Conselho Regional de Medicina no Maranhão disse que abriu uma sindicância para apurar a conduta do médico Paulo Roberto. Já o Conselho Regional de Enfermagem (Coren-MA) informou o bebê teria sido transportado de forma irregular de São Bento até o Hospital Materno Infantil de Pinheiro e que fez denúncia ao Ministério Público do Maranhão sobre o problema.

Com informações do G1 Maranhão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *